14 setembro, 2014

Resenha O Herói Perdido

   Terminei de ler O Herói Perdido no inicio desse mês e, caraca, quase não termino.  Demorei uns 20 dias para lê-lo, não tinha vontade de pegar o livro, de saber como ia acabar a história.
   Temos um herói perdido (Percy) e Annabeth está tentado de tudo para encontrá-lo, ao mesmo tempo em que acaba esbarrando em Jason e seus amigos. Desde o inicio fica obvio algumas coisas, ao passo em que eu já sabia que rumo à história iria tomar, os personagens ficam lá, com aquela lentidão, quase como se não quisesse pensar, isso me irritou, MUITO! Achei as aventuras repetitivas e desmotivante, não me convenceu, não consegui me afeiçoar aos personagens, e senti que tava caindo na mesmice.
   Odiei a escrita do Rick em terceira pessoa, senti a leitura muito impessoal; não consegui entrar na história. Amei a primeira saga, de paixão, mas essa segundo... ainda mais por não ter o Percy e os outros personagens que conhecemos tão bem. Não gosto de capítulos narrados por personagens diferentes, pouquíssimos autores conseguem dar voz a cada personagem, julgo que é mais fácil quando é na visão de um único. É para mim Rick peca nesse quesito (muito melhor na visão de Percy).



   Bom, meus amigos que leram me falaram que o segundo – O Filho de Netuno – é bem melhor. Não sei se vou dar uma chance para Os Heróis do Olímpio novamente, espero que sim, mas acho que isso vai demorar. Enfim, leiam e tire suas próprias conclusões.
p.s Até o próximo domingo. u.u

07 setembro, 2014

Resenha O Céu Está Em Todo Lugar

   Bom gente, to mega triste hoje, isso porque tô numa baita ressaca literária e queria muito voltar ao normal. Não sei se fiquei com essa ressaca por causa de Eleanor e Park ou Garota, Interrompida. Sei que depois desses dois livros as coisas começaram a desandar... não consigo “entrar” na história de nenhum outro livro.
   Mas vou dar minha opinião hoje sobre O Céu Está Em Todo Lugar! Não, não se animem, não achei o livro tudooooo isso que falam.
   Só comecei a lê-lo porque a Bia recomenda muito no vlog dela, então pensei “temos a mesma opinião sobre alguns livros, esse deve ser maravilhoso”.
A história gira em torno da Lennie que acabou de perder a sua irmã e está de luto. Pronto, é isso, basicamente. Os personagens são super bem construídos, mas não consegui me identificar com eles. A lennie tem atitudes tão “MEU DEUS, O QUE É QUE ESSA MENINA TÁ FAZENDO? TÁ MALUCA, SÓ PODE” que me irritou um pouco, acho que a justificativa que ela dava – que estava triste – não colou comigo.


   Não acho que a tristeza é palpável, como algumas pessoas falaram, na verdade, não consegui sentir nada com esse livro, a não ser que a Lennie tava fazendo coisas estúpidas e senti vergonha alheia. São 400 páginas de mesmice, sim, acontecem as mesmas coisas (de jeitos diferentes) em cada capítulo, isso ficou repetitivo demais, era como se a história não andasse. Faltou esclarecer algumas coisas, como a mãe da Lennie, enfim, sinto que a leitura não acabou no final e que a autora poderia ter enxugado mais a história e esclarecido todos os pontos que ela colocou.


   A capa desse livro é extremamente frágil (material ruim mesmo) e você não consegue limpa-la sem abrir um buraco (isso aconteceu comigo). Mas ela é belíssima, convenhamos, e o miolo foi super caprichado; achei super interessante o fato da fonte ser azul *-* Só posso dizer que o conteúdo poderia ter sido melhor trabalhado.

Até o próximo domingo!